Os professores da Coppe/UFRJ, Carolina Naveira-Cotta e Renato Cotta, e o especialista em simulação de epidemias, professor Pierre Magal, da Universidade de Bordeaux, França, desenvolveram um modelo matemático que permite traçar previsões para o número de casos da Covid-19, reportados e não reportados, bem como o pico da pandemia em cenários com diferentes medidas de saúde pública. Desenvolvido com apoio da Marinha do Brasil, CNPq e Faperj, o estudo foi publicado no site MedXriv, no final de março, e será publicado em um número especial da revista Biology, neste mês de maio.


Por solicitação da Agência Brasileira de Inteligência (Abin), os professores da Coppe têm fornecido simulações demandadas para diferentes cenários e regiões do país. O artigo chamou a atenção da Agência, que já havia formado um grupo de trabalho interdisciplinar para avaliar diferentes ferramentas de simulação da evolução da Covid.


O trabalho é baseado em modelo epidemiológico que lida com a pandemia introduzindo casos não reportados na modelagem e avalia as consequências das intervenções de saúde pública. “Os casos reportados são apenas uma fração do número total de indivíduos com os sintomas. É preciso considerar também os casos não reportados. Usamos como referência o modelo já utilizado em previsões relacionadas a outras doenças/epidemias, como casos recentes de epidemias de influenza (gripes), cujo número de infectados não reportados é grande, assim como no caso da Covid-19”, explicou Carolina Naveira-Cotta.


Segundo a professora da Coppe, a intenção desse estudo é suprir, com uma ferramenta complementar, àquelas já empregadas pelos órgãos responsáveis pelo controle da epidemia, seja regional ou nacionalmente.

 

Leia mais em COPPE.

A Coppe/UFRJ promove, no próximo dia 12 de abril, domingo, às 18h, o primeiro debate do Fórum Virtual “O Brasil após a pandemia”. A série de encontros virtuais tem como objetivo debater e discutir propostas e alternativas para o país superar os impactos decorrentes da pandemia causada pelo coronavírus. O público poderá assistir e participar do debate, ao vivo, com perguntas que serão encaminhadas aos debatedores, aqui no Facebook da Coppe.

A série de encontros contará com a mediação do professor Luiz Pinguelli Rosa, da Coppe, e abordará os temas:

Política, Ciência e Tecnologia (12/04); Indústria, Produção e Emprego (15/04); Saúde Pública, Cidades e Infraestrutura (19/04); Internet e Ética (22/04). O primeiro debate sobre “Política, Ciência e Tecnologia”, dia 12/04, às 18 horas, contará com a participação da reitora da UFRJ, professora Denise Pires de Carvalho, do ex-ministro e ex-candidato à Presidência da República (PDT-CE), Ciro Gomes, do deputado federal (PSB-RJ), Alessandro Molon.

Confira a programação no Planeta Coppe Notícias: https://bit.ly/2VjD2Xe

Nature is sending us a message with the coronavirus pandemic and the ongoing climate crisis, according to the UN’s environment chief, Inger Andersen.

Andersen said humanity was placing too many pressures on the natural world with damaging consequences, and warned that failing to take care of the planet meant not taking care of ourselves.

Leading scientists also said the Covid-19 outbreak was a “clear warning shot”, given that far more deadly diseases existed in wildlife, and that today’s civilisation was “playing with fire”. They said it was almost always human behaviour that caused diseases to spill over into humans.

To prevent further outbreaks, the experts said, both global heating and the destruction of the natural world for farming, mining and housing have to end, as both drive wildlife into contact with people.

They also urged authorities to put an end to live animal markets – which they called an “ideal mixing bowl” for disease – and the illegal global animal trade.

Andersen, executive director of the UN Environment Programme, said the immediate priority was to protect people from the coronavirus and prevent its spread. “But our long-term response must tackle habitat and biodiversity loss,” she added.

Read complete at The Guardian