Brasil já tem telha solar com tecnologia 100% nacional

A tecnologia não é nova. Em 2016, Elon Musk, da Tesla, já tinha apresentado suas telhas solares. Elas foram desenvolvidas para serem mais eficientes, oferecer melhor isolamento térmico e terem o custo de instalação mais barato do que os painéis fotovoltaicos utilizados atualmente. Além disso, a ideia é que fossem esteticamente mais atraentes para os consumidores.

Mas agora, o Brasil ganha suas próprias telhas solares, com tecnologia 100% nacional. Fabricada pela Eternit, e já aprovada pelo Inmetro, órgão que atesta a qualidade de produtos no país e fornece certificação para comercialização, as telhas são feitas em concreto com células fotovoltaicas, responsáveis por captar a energia solar e transformá-la em elétrica.

“A estimativa é que a tecnologia permita entre 10% e 20% de economia no valor total da compra e da instalação das telhas fotovoltaicas, em relação aos painéis solares, montados em cima de telhados comuns”, afirma Luís Augusto Barbosa, presidente do Grupo Eternit.

Brasil já tem telha solar com tecnologia 100% nacional/figure>

Para a geração de energia, a empresa utilizou a tecnologia de silício monocristalino, que apresenta uma vida útil de mais de 20 anos.

Ainda de acordo com a fabricante brasileira, a instalação das telhas fotovoltaicas é muito semelhante àquela de um telhado comum, por isso, não requer mão de obra especializada.

“A conexão elétrica entre as telhas é feita com chicotes pré-montados que utilizam conectores macho e fêmea de fácil conexão. O tamanho (365 x 475 mm) e o peso das telhas (5,2 kg/peça) facilitam o transporte até o telhado a ser instalado”, explica Luis Antonio Lopes, responsável pela área de Desenvolvimento de Novos Negócios.

Leia completo em Conexão Planeta

Visão geral do desafio

 

Esta é a versão em português para a inscrição do Desafio Rethink Plastics.

Aquí esta la versión en español del Desafío Rethink Plastics.

Here is the English application for the Rethink Plastics Challenge

A região da América Latina e do Caribe abriga recursos naturais vitais para a subsistência e a prosperidade econômica de seus cidadãos, bem como para a saúde e o bem-estar do planeta e daqueles que vivem aqui. Essa região possui o segundo maior ecossistema marinho do planeta com recifes de corais que se estende da Patagônia até a Amazônia.

O plástico provou ser uma das inovações industriais mais importantes do mundo, mudando as indústrias em todo o mundo, da medicina até a alimentação, e por isso é tão onipresente em nosso dia a dia. No entanto, o plástico também gerou imensos impactos na saúde humana e ambiental. A produção de plásticos a partir de combustíveis fósseis é o segundo maior e o mais rápido contribuinte para o aumento nas emissões industriais de gases de efeito estufa, que é o principal fator da mudança climática. Em todo o mundo, um milhão de garrafas plásticas de uso único são compradas a cada minuto e 5 trilhões de sacolas plásticas de uso único são utilizadas a cada ano e apenas uma pequena fração delas acaba sendo recuperada. Com a maioria terminando em nosso ambiente natural, os resíduos plásticos liberam produtos químicos tóxicos nos suprimentos de água doce, no solo e nos ecossistemas marinhos.  

Em vários países da região, proibições e impostos sobre o varejo de sacolas plásticas levaram a reduções no uso; métodos inovadores de incentivo em bairros aumentaram a reciclagem; aplicativos móveis estão ajudando as pessoas a descartarem adequadamente seu lixo na ausência serviços formais de coleta de lixo. Embora estes sejam passos promissores na direção certa, a América Latina e o Caribe estão bem posicionados para desenvolver e implementar novas práticas para reduzir substancialmente ou eliminar resíduos plásticos. 

Para reduzir ou eliminar a produção de plásticos de uso único e resíduos plásticos na região latino-americana, o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) está buscando soluções inovadoras que:

  • Incorporem alterações nos modelos de negócios de uso de plásticos em embalagens e transportes;
  • Reduzam plásticos de uso único e resíduos plásticos promovendo mudanças no comportamento do consumidor e incentivando a reutilização e a reciclagem;
  • Permitam que o setor público, especialmente os municípios, possa testar e implementar sistemas novos e inovadores para o gerenciamento de resíduos.

Regras Oficiais do Desafio Rethink Plastics estão aqui.

Veja no site oficial

O anúncio nas redes sociais do presidente Jair Bolsonaro, com o apoio dos líderes do Congresso Nacional, em favor da energia solar no País, com a criação de um Projeto de Lei (PL), reflete uma união surpreendente entre os poderes Executivo e Legislativo pelo desenvolvimento da fonte solar fotovoltaica no Brasil.

O próprio presidente Bolsonaro afirmou ontem (domingo) que o PL é fruto de uma articulação entre o Executivo e o Legislativo, com o apoio dos presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre. Em uma das postagens, Jair Bolsonaro disse que "o presidente da Câmara colocará em votação Projeto de Lei, em regime de urgência, proibindo a taxação da energia gerada por radiação solar. O mesmo fará o presidente do Senado. Caso encerrado."

Bolsonaro afirmou ainda, em vídeo publicado mais cedo, que, se dependesse dele, não haveria cobrança sobre a energia solar no País. "É posição do presidente da República, no que depender de nós, não haverá taxação da energia solar", declarou. O próprio Rodrigo Maia repercutiu em suas redes o vídeo do presidente Bolsonaro e afirmou que "concordo 100% com ele (presidente Bolsonaro) e vamos trabalhar juntos no Congresso contra a taxação da energia solar."

Recentemente, o diretor-geral da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), André Pepitone, reconheceu a necessidade de alterações e melhorias no texto proposto pela entidade reguladora. Em entrevista recente ao site Megawhat, Pepitone afirmou que quaisquer mudanças regulatórias passariam a valer apenas para as novas conexões a partir de 2021, mantendo por 25 anos as regras vigentes para os consumidores que já investiram no sistema solar fotovoltaico.

Leia completo em Terra.