RIO - O governo federal não vai necessariamente se opor a projetos e medidas de mitigação das mudanças climáticas, acredita Suzana Kahn, presidente do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas (PBMC). Participante da quinta edição do Fórum Clima 2019, que acontece nesta quinta-feira no Rio de Janeiro, Suzana avalia que o Brasil só terá vantagens

Este trecho é parte de conteúdo que pode ser compartilhado utilizando o link https://www.valor.com.br/brasil/6226103/potencia-ambiental-casa-com-nacionalismo-do-governo-ve-especialista ou as ferramentas oferecidas na página.
Textos, fotos, artes e vídeos do Valor estão protegidos pela legislação brasileira sobre direito autoral. Não reproduza o conteúdo do jornal em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização do Valor ( O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo. ). Essas regras têm como objetivo proteger o investimento que o Valor faz na qualidade de seu jornalismo.

Leia mais em Valor

11estados aquencimentoEncontro no Rio de Janeiro reafirmou compromisso com meio ambiente Exibição em 25 abr 2019 pelo Jornal da Globo.

 

O Brasil acaba de superar a marca de 2.000 megawatts (MW) de potência operacional em sistemas de geração centralizada solar fotovoltaica, ou seja, usinas de grande porte, conectadas ao Sistema Interligado Nacional (SIN).

Segundo mapeamento da Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), a fonte solar fotovoltaica, baseada na conversão direta da radiação solar em energia elétrica de forma renovável, limpa, sustentável e cada vez mais competitiva, atingiu um total de 2.056 MW de potência instalada operacional, o equivalente a 1,2% da matriz elétrica do País. Com isso, passa a ocupar a posição de 7ª maior fonte do Brasil, ultrapassando a nuclear, com 1.990 MW (1,2%) provenientes das usinas de Angra I e Angra II, localizadas no Rio de Janeiro.

Para o Presidente do Conselho de Administração da ABSOLAR, Ronaldo Koloszuk, a energia solar fotovoltaica agrega inúmeros benefícios para o progresso do Brasil. “A fonte contribui para a redução de gastos com energia elétrica, atração de novos investimentos privados, geração de empregos locais de qualidade, redução de impactos ao meio ambiente, redução de perdas elétricas na rede nacional, postergação de investimentos em transmissão e distribuição e alívio do sistema elétrico em horários de alta demanda diurna, como nos meses de verão”, destaca Koloszuk.

Leia completo em Absolar