integra ufrj cadastro 03

integra ufrj cadastro 02

integra ufrj cadastro 03

A nanoFlowcell é uma marca protótipo do carro Quantino movido a água, neste caso a água salgada. E recentemente numa experiência o Quantino completou mais de 150 mil quilómetros em estrada tendo como combustível o recurso a água salgada.

Como Funciona a NanoFlowcell?

O funcionamento da tecnologia da nanoFlowcell é em tudo idêntico à de uma célula de combustível, só que recorre à água salgada invés do hidrogénio!

 

Assim, os iões positivos ficam separados dos iões negativos, sendo que ambos ao passarem por uma membrana se misturam e interagem, e é essa interação que gera energia elétrica que permite mover o automóvel!

O resultado final dessa mistura do líquido de iões gera água, tal como na célula de combustível de hidrogénio, mas tem como vantagem o facto de permitir que o veículo se movimente com zero emissões de carbono e um reabastecimento rápido!

Quando Surgiu a NanoFlowcell?

Esta é uma empresa já com algum tempo no mercado. Desde 2014 que esta empresa suiça tem vindo a desenvolver protótipos com o intuito de usarem água salgada como combustível primário.

Foram vários os protótipos desenvolvidos:

  • Desportivo e-Sportlimousine
  • Crossover Quant F
  • Compacto Quantino

Os três modelos têm sido testados em estrada, mas foi o Quantino o primeiro a mostrar a verdadeira capacidade do combustível a água salgada.

Leia mais em Portal Energia

Crescimento econômico deverá ser maior se conseguirmos limitar o aquecimento global

Já há conhecimento suficiente sobre a participação humana no aquecimento global, assim como já se sabe que as mudanças climáticas podem ocasionar danos irreversíveis às espécies e aos ecossistemas, reduzindo sua capacidade de fornecer bens e serviços à sociedade. O recente relatório especial do IPCC que analisa os impactos do aquecimento global de 1,5oC acima dos níveis pré-industriais e as possíveis trajetórias das emissões de gases de efeito estufa mundiais, fornece elementos que deveriam estimular o aumento do nível de ambição dos compromissos nacionais contidos no Acordo de Paris.  As reduções das emissões propostas no Acordo não são suficientes para manter a integridade climática, pois o aumento de temperatura seria superior a 30C. Tanto que já está previsto para 2020 uma nova rodada para que os países apresentem novas propostas de redução de suas emissões.

Para ficarmos no limite de 1,5oC, o investimento em tecnologias de baixo carbono deverá ser o dobro do que é atualmente e nas próximas duas décadas a exploração de combustíveis fósseis deverá ser um quarto da atual.  O aumento da temperatura ficando neste limite, reduzirá o impacto sobre a biodiversidade, que é essencial para a sobrevivência e o desenvolvimento das espécies e a provisão de inúmeros serviços ecossistêmicos necessários para nossa existência, como água e alimentos. Os benefícios em termos de custos de adaptação serão enormes.  Quanto maior for o nível de redução das emissões, ou seja, mitigação, menor será a necessidade de adaptação. Teremos que usar, de qualquer forma, as duas estratégias, porém o custo de mitigação é inferior ao da adaptação.

Leia completo em Projeto Colabora